Assine e receba a edição em casa

Vídeo Institucional

Cuiabá, Março de 2019

Expediente Login
Almanaque Cuiabá

O Bar do Pirunga

No velho distrito da Guia, além dos corriqueiros causos de assombrações, existiram outros curiosos e até engraçados que marcaram época, dignos de registros, como fato social.

Tamanho do Texto A+ A-


No velho distrito da Guia, além dos corriqueiros causos de assombrações, existiram outros curiosos e até engraçados que marcaram época, dignos de registros, como fato social.
Refiro-me a um conceituado cidadão que tinha o curioso apelido de PIRUNGA e lá pelos anos cinquenta, foi nomeado como telegrafista do Departamento dos Correios e Telégrafos em Cuiabá. Logo em seguida, ele foi designado para tomar posse na agência postal do distrito da Guia.

Com o passar do tempo, o telegrafista Pirunga tornou-se muito conhecido e popular no vilarejo e, com intuito de participar do progresso de Nossa Senhora da Guia, resolveu montar um belo e moderno bar, na rua principal da localidade, colocando um nome deveras pitoresco: BARGUIA, querendo com isso prestar uma homenagem à pequena cidade.
Mesmo em se tratando de coisa séria, o povo local não aceitou a denominação, considerando o nome até como um insulto, entendendo que aquela denominação seria um trocadilho da palavra BRAGUILHA...

Outro fato engraçado registrou-se também naquele vilarejo, quando da visita inesperada de um professor de português, que logo que adentrou a cidadezinha através da ponte de ferro, passou a apreciar as placas referentes aos diversos nomes das pequenas ''vendas'' e ''bolichos'' do comércio local. Por coincidência, todas estavam escritas com erros gravíssimos de português, a exemplo de caza, peche, borraxaria, ofisina de concertos, etc.
A cada placa que lia, o professor ia se irritando de tal maneira que, não contendo a raiva, quis imediatamente sair daquele lugar.

E por outra coincidência, quando já estava saindo do lugarejo, lançou um derradeiro olhar para uma das ultimas placas, onde leu: ''Alfaiataria ÁAguia de Ouro''.
O professor disse: “Graças a Deus pelo menos temos uma para salvar a cidade”. E saltou do automóvel, fazendo questão de cumprimentar o alfaiate, dizendo: “O senhor é o único que escreveu sua placa certa: ''Alfaiataria Aguia de Ouro'', só faltou um acentinho no nome da ave. Meus parabéns!...”

Aí, o alfaiate retrucou: “Professô, não é ''Águia de Ouro'' e sim ''Agúia de Ouro!...''

VOLTAR AO TOPO

    Compartilhe

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter