Assine e receba a edição em casa

Vídeo Institucional

Cuiabá, Janeiro de 2019

Expediente Login
Almanaque Cuiabá

Conhecendo o autor

"Eu não sou uma pessoa agarrada ao passado acho a vida tão gostosa, e acredito que tudo depende de como você encara as situações."

Tamanho do Texto A+ A-

Em uma quarta-feira, no dia 15 de julho de 1908, nasceu em Cuiabá Maria Benedita Deschamps Rodrigues. 'Dunga', como ficou conhecida. Tornou-se professora, musicista, historiadora e escritora.

Dunga começou a aprender piano aos cinco anos de idade. Mas foi sob a orientação da professora polonesa Helena Muller que mudou sua relação com a música. Segundo ela, foi essa professora que a ensinou a tirar a intensidade do som com todo o corpo e não apenas com os dedos.

"Eu não sou uma pessoa agarrada ao passado acho a vida tão gostosa, e acredito que tudo depende de como você encara as situações."

REPRESENTATIVIDADE
Foi sinônimo de cultura feminina e uma das mulheres que mais se destacaram em Mato Grosso no século passado. Seus livros lhe renderam uma cadeira na Academia Mato-grossense de Letras, local que à época era freqüentado majoritariamente por homens. Ela ocupou por muitos anos a cadeira número 39 da Academia. 

Foi membro da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra, do Centro de Música Brasileira do Estado de São Paulo, do Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso e, finalmente, da Academia Matogrossense de Letras. 

ATUAÇÃO PROFISISONAL
Dunga Rodrigues deu aulas de francês e, principalmente, de música. Promoveu recitais, formou muitos músicos na capital e escreveu diversos livros sobre a cultura e história de Cuiabá e Mato Grosso.

Foi mais que professora. Figura pública em Cuiabá, membro da Academia Mato-grossense de Letras, lecionou piano para centenas de crianças, jovens e adultos. Além de tocar o instrumento, seus alunos aprenderam o gosto pela música. Cheia de energia, concluiu um curso de especialização em música brasileira aos 89 anos! Com a mesma eficiência e bom humor, lecionou francês no Colégio Estadual de Mato Grosso, hoje Liceu Cuiabano Maria de Arruda Müller.
Uma revolucionária do seu tempo, cuja irreverência e simpatia encantava à todos. Foi professora, lecionou durante 52 anos em escolas públicas e conservatórios de Cuiabá. Com personalidade forte, soube se impor aos padrões sociais rígidos da época e optou por não se casar e investiu no seu desenvolvimento intelectual e profissional.

Dentre as produções literárias da autora, destacam-se as obras:

- Reminiscência de Cuiabá (1969);
- Lendas de Mato Grosso (1977);
- Os Vizinhos (1977);
- Marphysa (1981);
- Cuiabá: Roteiro de Lendas (1984);
- Uma aventura em Mato Grosso (1984);
- Memória Musical de Cuiabá (1985);
- Cuiabá ao longo de cem anos (1994);
- Movimento musical em Cuiabá (2000);
- Colcha de Retalhos (2000).

 

 

VOLTAR AO TOPO

    Compartilhe

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter