Assine e receba a edição em casa

Vídeo Institucional

Cuiabá, Dezembro de 2019

Expediente Login
Almanaque Cuiabá

Tanque Novo

Este fato ocorreu envolvendo Laurinda Lacerda de Cintra, a quem a família e amigos chamavam de Doninha, que foi perseguida politicamente por causa de sua liderança na região do Sítio Tanque Novo, distante 25 km de Poconé, local onde nasceu.

Arquivo/Almanaque
Tanque Novo

Tamanho do Texto A+ A-

Doninha, foi a nona entre os doze filhos de João e Ernestina Lacerda Cintra. De família abastada, preferiu a companhia dos empregados da fazenda de seu pai, tendo se apaixonado por um vaqueiro. Grávida aos 22 anos, foi abandonada pelos pais e passou a viver com o marido.

Nessa época, começou a ter visões do espírito Maria da Verdade e passou a curar misteriosamente os doentes, ficando conhecida como líder religiosa e milagrosa. Laurinha desempenhou caridade durante toda sua existência.

O fato histórico conhecido como Tanque Novo ocorreu numa localidade com este mesmo nome na região de Poconé. Os personagens desta história são os membros da família Lacerda Cintra, mais precisamente uma mulher com o nome de Laurinda Lacerda Cintra (conhecida por Doninha) que a partir dos 22 anos de idade começou a ter visões de uma santa chamada “Jesus Maria José” e nesse contexto ela acabou por ter muita influência entre os habitantes da região porque aconselhava sobre medicina e também nas previsões sobre futuro e com isso o pequeno povoado transformou-se numa pequena vila.

Com as eleições de 1930, Getúlio Vargas, então candidato da oposição e indicado por Antonio Carlos Andrada, de Minas Gerais, leva uma surra nas urnas para Júlio Prestes, o candidato de Washington Luis. Mas acontece que com a morte de João Pessoa na Paraíba que seria seu vice, surge o pretexto para Vargas dar o golpe e então com o apoio dos militares instala o Governo Provisório que deveria ser de 4 anos, sendo que uma das suas primeiras medidas foi fechar o Congresso e as câmaras municipais.

Em cada Estado  o então chefe da Nação colocou ‘gente de sua confiança’, cujo cargo político era denominado de interventor. O primeiro aqui em Mato Grosso foi Antonio Mena Gonçalves. Nessa eleição, na região de Poconé e Tanque Novo, Vargas sai derrotado, e quando acaba a Revolução Constitucionalista em 1932, convocou a Assembleia Constituinte e novamente Tanque Novo é oposição a ele.

Leônidas Antero de Barros, novo interventor de Mato Grosso, representante de Getúlio Vargas, persegue os moradores de Tanque Novo e prende Doninha por quase 03 meses. Em 1933, Doninha novamente é detida, sendo julgada e inocentada em 1934, mas isso só aconteceu depois que o partido do governo garantiu sua vitória, principalmente na região de Poconé. 

 

(Siqueira, Elizabeth Madureira. O Processo Histórico de Mato Grosso, p.182)
VOLTAR AO TOPO

    Compartilhe

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter