Assine e receba a edição em casa

Vídeo Institucional

Cuiabá, Novembro de 2019

Expediente Login
Almanaque Cuiabá

Visita a toalete abrevia obras do Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande

Divulgação
Visita a toalete abrevia obras do Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande

Presidente da República João Goulart e sua mulher, Maria Teresa Goulart

Em 1963, um episódio curioso abreviou a inauguração do atual Aeroporto Marechal Rondon, cujas obras se estendiam desde 1956. Veja:

Ela se articulou, contactou com os ministérios específicos e as instalações foram melhoradas em 1964 e em 1975 a Infraero assumiu o controle do sistema.

A história da construção do aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande, passa por protelações e projetos.

A partir do primeiro pouso no bairro Campo Velho, na General Melo, em março de 1929 – cuja atividade durou uma década.

Em 1939, as aeronaves passaram a aterrissar no Campo de aviação que funcionou por muitos anos na atual Vila Militar, na Miguel Sutil.

Em 1963, um episódio curioso abreviou a inauguração do atual Aeroporto Marechal Rondon, cujas obras se estendiam desde 1956. 

Segundo registros históricos, de passagem por Cuiabá, a então primeira-dama Maria Tereza Goulart, esposa do presidente João Goulart, desembarcou no terminal e, deparando-se com as precárias condições dos toaletes e demais aposentos, solicitou ao presidente que providenciasse o término das obras do aeroporto, justificando que um aeroporto de um estado tão privilegiado estrategicamente não poderia apresentar deficiências físicas e sanitárias como tinha constatado. Ela se articulou, contactou com os ministérios específicos e as instalações foram melhoradas em 1964 e em 1975 a Infraero assumiu o controle do sistema.

    Compartilhe

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter

Olá, deixe seu comentário para Visita a toalete abrevia obras do Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande

Já temos 2 comentário(s). DEIXE O SEU :)
José  Antonio Lemos

José Antonio Lemos

A versão que conheço não é tão elegante. A pista de pouso estava recém asfaltada e o galpão que serviu para a obra de pavimentação é que funcionava "provisoriamente" como estação de passageiros. Cheguei de percorrer a pista de carro pois tão logo foi concluída ela foi liberada por um ou dois dias para a população conhecer aquela maravilha. Passeei por ela de uma ponta a outra no Pontiac 52 de meu tio Francisco Loureiro e ainda me lembro daquela estação de madeira (o antigo galpão da obra). Então a primeira-dama estava de passagem pelo nosso aeroporto e precisou ir ao toalete. Aí foi aquele Deus nos acuda, correria para todo lado, sorrisos amarelos, pois dá para imaginar como era aquele "toalete" e em que condições estava. Bom, aí el rodou a baiana, pois a bela dona Maria Tereza não era de levar desaforo para casa. Mas levou desta vez... A versão dá até para duvidar se de fato havia algum banheiro na nossa então "estação de passageiros." Foi uma vergonha. De volta a Brasília as autoridades providenciaram correndo a construção da primeira estação de passageiros realmente digna desse nome, a qual constrangidas denominaram "Aeroporto Maria Tereza Goulart", nome substituído por Marechal Rondon em 1964 por razões óbvias.
★★★★★DIA 06.04.19 12h02RESPONDER
N/A
Enviando Comentário Fechar :/
Lídia Eugénia Malheiros

Lídia Eugénia Malheiros

José Lemos.. a história que eu sei tb é um pouco diferente..... ela teria entrado no tal banheiro e saiu espumando de raiva.... Dizem que por alí estava um "capiau" que lhe disse.... Se achou ruim... manda fazer melhor.... e ela mandou fazer mesmo....
★★★★★DIA 20.05.19 12h58RESPONDER
N/A
Enviando Comentário Fechar :/
Enviando Comentário Fechar :/