Assine e receba a edição em casa

Vídeo Institucional

Cuiabá, Setembro de 2019

Expediente Login
Almanaque Cuiabá

“Bar do Bugre”, de Olyntho Neves

“Bar do Bugre”, de Olyntho Neves

GABRIEL NOVIS NEVES é médico, professor-fundador e primeiro reitor da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e atualmente vem se destacando como notável colunista, principalmente versando temas relacionados com a história de Cuiabá

...papai, que tinha o apelido de BUGRE, ganhou sobrenome de Bugre do Bar.

Nas Famílias numerosas havia uma perfeita socialização da riqueza

O ano - mil novecentos e vinte. O dia - vinte e nove de junho. O meu pai prestes a completar vinte e seis anos. Instrução primária incompleta, vivia de pequenos biscates. Cobrador de Pedro Celestino Correa da Costa, dono de farmácia e de alguns poucos médicos da época. A vida continuava e, boa. Não lhe faltava o essencial.

Nas famílias numerosas havia uma perfeita socialização da riqueza. Alguns trabalhavam e outros não; tudo na mais perfeita harmonia. Hábitos tribais do século XIX. Era importante ser e não ter.

A minha avó paterna, filha de uruguaia com militar gaúcho, carioca de nascimento, tinha uma visão metropolitana da vida e preocupações com o futuro. Sabia que aquela situação familiar não podia continuar. Com calma, sabedoria e equilíbrio, acumulava um pacote de filhos - adultos - dependentes. Neste pacote estava o meu pai, o Tinô, o João, o Ioiô e inicialmente o Coca.

Cuiabá estava inaugurando um cinema num galpão ao lado do reformado Cine Teatro Cuiabá. Minha avó que além de mãe, dona de casa, doceira e boleira viu a grande oportunidade de montar para aquele pacote, um bar.

A inauguração foi aleatória, acho que num sábado, vinte e nove de junho. A empresa não possuía nome. Todos os amigos e a sociedade compareceram para prestigiar o evento. Os salgadinhos vinham da cozinha da minha avó, auxiliada pelas filhas Julita, Pequenina e Aracy.

As bebidas foram compradas no fiado e os refrescos feitos na hora. Sucesso absoluto. No dia seguinte, o primeiro problema. O bar não podia ser aberto, pois todo o seu estoque acabara. Providências foram tomadas e, na hora do cinema, o bar estava funcionando. Os amigos de papai queriam saber o nome da "espelunca".

Vários nomes surgiram, até que ficou o do agrado do meu pai: Bar Moderno. Registrado na Junta Comercial como Bar Moderno e proprietário único Olyntho Neves. O nome, porém, ficou só no registro da Junta e papai, que tinha o apelido de BUGRE, ganhou sobrenome Bugre do Bar. E Bar Moderno sempre foi o Bar do Bugre.

Catorze anos depois, já na sede própria do casarão da Praça Alencastro, minha mãe atribuiu o êxito do Bar a São Pedro.

A partir daí, fazemos anualmente a festa de São Pedro - protetor da nossa família.

    Compartilhe

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter

Olá, deixe seu comentário para “Bar do Bugre”, de Olyntho Neves

Enviando Comentário Fechar :/